Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carros Electricos

Tudo sobre carros eléctricos, noticias, novidades, apresentações, artigos técnicos, esquemas técnicos, tecnologia, etc.

Tudo sobre carros eléctricos, noticias, novidades, apresentações, artigos técnicos, esquemas técnicos, tecnologia, etc.

Carros Electricos

28
Abr12

CRZ terá baterias de iões de lítio

adm

 

 

A próxima geração do CRZ deverá ser apresentada no Salão de Paris, em setembro. As baterias de iões de lítio toleram melhor o calor, bem como a carga/descarga em altas voltagens, são mais leves, têm uma densidade de energia pelo menos duas vezes superior e têm custos de produção inferiores em relação às de níquel-hidreto metálico (atualmente mais comumente utilizadas em veículos híbridos).

O CRZ bem equipado pode manter o peso do atual ou mesmo vir a ganhar alguns quilos na balança, contudo é certo que com baterias de iões de lítio terá um desempenho superior, fazendo sobressair substancialmente as potencialidades desportivas do modelo, incluindo o efeito turbo em baixas e médias rotações. O consumo deverá também descer em virtude desta mudança tecnológica.

No entanto, as novas baterias não estarão disponíveis em todos os modelos e podem até estar disponíveis como parte de um pacote opcional, tal como os estofos em pele ou o sistema de som.

fonte:http://www.autohoje.com/i

26
Abr12

Portugueses entre os mais exigentes da Europa com veículo eléctrico

adm

Os automobilistas portugueses encontram-se entre os mais exigentes utilizadores de veículos eléctricos, segundo o Observador Cetelem 2012. O inquérito revela que 96 por cento dos portugueses reivindica a implantação de estações de recarga rápida na via pública, sendo que 70 por cento as considera “indispensáveis”. 

Dentro da mesma lógica, os portugueses parecem seduzidos pelo conceito de recarga rápida, do tipo quick drops, que permite a troca de uma bateria descarregada em poucos minutos. É que 91 por cento dos inquiridos declaram-se “muito interessados” ou “parcialmente interessados” nesta solução. Contudo, a recarga no domicílio também não assusta os portugueses: 73 por cento considera que não há qualquer perigo em recarregar um veículo eléctrico em sua casa. 

A análise levada a cabo pelo Observador Cetelem demonstra ainda que um consumidor europeu em cada três diz não ser capaz de avaliar o tempo necessário para recarregar completamente um veículo eléctrico. No caso de Portugal, 37 por cento declara não saber a resposta a esta questão. Só os russos consideram estar mais informados, somente 11 por cento responde não saber. No entanto, globalmente, esta avaliação mostra que os europeus têm consciência de que o veículo eléctrico vai alterar a sua relação com o automóvel. 

Estes resultados foram apurados no âmbito do Caderno Automóvel do Observador Cetelem, que foi agora alargado a dez países. Pela primeira vez, a Rússia e a Turquia integraram o estudo, juntando-se à Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália, Polónia, Portugal e Reino Unido. As análises económicas e de marketing, bem como as previsões, foram efetuadas em colaboração com a sociedade de estudos e consultoria BIPE. Os inquéritos no terreno foram conduzidos pela TNS Sofres, em setembro de 2011. Na totalidade foram inquiridos 6000 europeus, representativos da população total.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

19
Abr12

Estacionamento gratuito para carros elétricos -

adm

Os automóveis elétricos podem passam a ter estacionamento grátis nos centros urbanos e autorização para circular em faixas de rodagem reservadas a transportes públicos (BUS), segundo propõe o Governo para incentivar a procura de veículos elétricos.

De acordo com o documento de apoio à revisão dos Planos Nacionais de Ação para a Eficiência Energética (PNAEE) e para as Energias Renováveis (PNAER), a renovação de frotas da administração central e dos municípios deve passar a ter uma quota obrigatória de veículos elétricos, que têm uma baixa taxa de penetração em Portugal.

Em cima da mesa para aumentar a incorporação de fontes de energia renováveis nos transportes estão também incentivos financeiros de custo reduzido, como a redução ou mesmo isenção do Imposto sobre Veículos (ISV) e/ou o Imposto Único de Circulação.

No campo regulatório, o documento, em consulta pública até 18 de maio, defende que a renovação de frotas da administração central e de municípios tenha uma quota obrigatória de veículos eficientes e/ou de combustíveis alternativos.

Sector dos transportes é o mais fraco em renováveis

 

Segundo o relatório, os transportes são o sector que incorpora menos fontes de energia renováveis, podendo levar a atrasos nos compromissos assumidos por Portugal, até 2020, defendendo ainda o incentivo à produção de biocombustíveis em território nacional, utilizando resíduos e detritos.

"Possíveis atrasos de execução do PNAEE poderão ser colmatados com ações nas áreas do aquecimento/arrefecimento e eletricidade", realça o relaório do Ministério da Economia, que aponta caminhos para melhorar a eficiência energética do país, através de uma redução de 25% consumo até 2020.

Por seu lado, o aquecimento/arrefecimento é atualmente o setor que mais fontes de energia renováveis incorporam, tendo ainda margem de progressão, através de medidas de apoio ao solar térmico bem como de promoção à utilização de biomassa para aquecimento. Portugal é quarto país da União Europeia com maior grau de cumprimento do peso das fontes de energia renováveis no consumo final de energia, sendo apenas superado pela Suécia, Finlândia e Áustria.


fonte:http://expresso.sapo.pt/

 

19
Abr12

Mais de 70% dos portugueses admite comprar carro elétrico

adm

Os portugueses estão entre os europeus mais entusiastas com a chegada dos carros elétricos. Apenas 12% garante que não tem interesse num veículo 100% elétrico. Para além do interesse e da curiosidade, 70% dos portugueses admite vir a comprar um automóvel deste tipo, revela a sexta edição do Caderno Automóvel do Observador Cetelem.

Pelo contrário, os franceses e ingleses demonstram algum ceticismo em relação a este tipo de mobilidade. Nestes dois países, são mais o que não querem comprar do que aqueles que têm essa intenção.

Num contexto de crise, o poder de compra revela-se uma grande preocupação para os europeus. As despesas ligadas aos transportes pesam cada vez mais no orçamento das famílias. Um veículo é, nalguns casos, considerado um luxo dispensável e a prova disso é o sucesso de vendas dos veículos low-cost.

Será que o argumento ecológico e a novidade tecnológica são suficientes para cativar o interesse dos europeus para o veículo elétrico? O Observador Cetelem chegou à conclusão que sim, sobretudo, pelas vantagens ecológicas e económicas (70% e 53% respetivamente).

Em menor escala, os europeus valorizam a imagem de modernidade (29%) e elogiam o facto de ser silencioso (19%).

«O nosso estudo demonstra que os europeus estão prontos para esta revolução no mercado automóvel. O veículo elétrico tem uma boa imagem junto dos consumidores, que encaram, sem qualquer preocupação, uma rutura com a realidade atual. Mas, este sucesso potencial só ocorrerá quando houver uma aposta concreta nesta excecional oportunidade no campo da mobilidade. É um enorme desafio», afirma Diogo Basílio, responsável pelo Observador Cetelem em Portugal.

A novidade, nesta sexta edição do Caderno Automóvel do Observador Cetelem, é o facto do perímetro do estudo ter sido alargado a dez países. Pela primeira vez, a Rússia e a Turquia integraram o estudo, juntando-se à Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália, Polónia, Portugal e Reino Unido.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

15
Abr12

Renault teme perdas de Portugal nos 'eléctricos'

adm

Portugal tem o programa dos carros eléctricos em suspenso, sobretudo devido ao corte dos subsídios para a compra de veículos, o que está a preocupar a Renault – que lançou os primeiros modelos este ano. José Caro de Sousa, administrador delegado da empresa em Portugal, teme que se esteja a perder competitividade a nível internacional.

«Há um mínimo de política interna necessária para poder alimentar e credibilizar esse mercado. Era um cluster industrial em que Portugal estava a marcar posição e é uma pena ser perdido», afirmou o gestor ao SOL, destacando que «a Efacec, nos carregadores, está no topo a nível mundial e há outras empresas a desenvolverem tecnologia».

O gestor compreende «que a situação do país e o memorando da troika obriguem a repensar a situação, mas pedimos que tal aconteça o mais rapidamente possível».

A Renault lançou o seu terceiro automóvel eléctrico. Depois do comercial Kangoo e do familiar Fluence, a marca francesa aposta num pequeno citadino de dois lugares, o Twizy, que poderá ser uma alternativa a motas. «Tem potencial para clientes que estejam hesitantes em adquiri-las por razões de segurança ou de exposição ao mau tempo». A Renault vai ainda apostar nos resorts como possíveis clientes. «Já temos alguns contactos feitos, principalmente no Algarve», avança o administrador da Renault, que vê neste carro – com autonomia de 80 km e vedado a auto-estradas e vias rápidas – potencial para alugar ou ceder a clientes para passeios. O preço ronda os 7.500 euros, mais uma mensalidade de 50 euros para o aluguer de bateria e assistência, num contrato de 36 meses.

Estado perde 44,6% na receita de ISV

O Governo esperava, no Orçamento do Estado para 2012, um aumento de 7,5% na receita do Imposto Sobre Veículos (ISV). Porém, os dados da execução orçamental de Janeiro e Fevereiro mostram uma quebra de 44,6%no ISV face ao mesmo período de 2011, 75,8 milhões de euros contra 136,8 milhões.

Nada que surpreenda as empresas do sector automóvel, que já previam uma quebra elevada nas vendas e consequente redução na receita fiscal do Estado. Ainda assim «é pior do que se esperava», diz Caro de Sousa, pois não se previa uma quebra tão grande nas vendas. «É uma situação em que todos perdem. É por isso que a ACAP tem proposto a reintrodução do programa de abate de veículos em fim de vida», explica o administrador da Renault, acreditando que «o volume de compra adicional que é induzido com esse incentivo compensa largamente a dedução de imposto».

fonte:http://sol.sapo.pt/i

09
Abr12

Nissan já tem sistemas de carregamento rápido

adm

 

 

A Nissan começou a disponibilizar os primeiros 400 sistemas de carregamento rápido para automóveis elétricos, que vão estar disponíveis em pontos de tráfego intenso como auto-estradas, parques de estacionamento de centros comerciais e aeroportos.

As 400 unidades de carregamento rápido Quick Charger vão ser distribuídas gratuitamente, de modo a facilitar o arranque da rede a nível europeu, que vai tornar o uso do carro elétrico mais prático. Um dos objetivos iniciais é a criação de um corredor de emissões zero na auto-estrada que liga Paris a Amesterdão. Criadora do Nissan Leaf, a marca japonesa é uma das principais interessadas no sucesso do carro elétrico a médio prazo.

Estas unidades permitem carregar as baterias dos automóveis até 80 por cento em apenas meia hora. Os modelos que serão distribuídos têm metade do tamanho e são 50 por cento mais baratos que protótipos testados anteriormente.

fonte_:http://volante.sapo.pt/n

01
Abr12

Renault Twizy chega em Abril a partir de 6.990 euros

adm

 

Tem quatro rodas, dois lugares - com a particularidade de os ocupantes estarem dispostos em tandem (um atrás do outro) -, motor elétrico e promete revolucionar a circulação nas cidades. Falamos do Renault Twizy, o terceiro modelo da família cem por cento elétrica da Renault, que chega em Abril, com preços a partir de 6.990 euros.

O Twizy é um dois lugares, com a particularidade de os ocupantes estarem dispostos em tandem (um atrás do outro), mede 2,32 m de comprimento, 1,46 m de altura e apenas 1,19 m de largura. Estará disponível em dois formatos distintos, com potências diferentes. 

A versão de acesso é representada pelo Twizy 45, com motor elétrico de nove (9) cavalos, que não precisa de carta de condução (podendo ser conduzido por jovens de 16 anos sem carta) e tem circulação limitada aos espaços urbanos, onde não é permitido exceder os 45 km/h. 

A versão mais potente, o Twinzy 85, debita 17 cv e pode circular sem qualquer restrição, atingindo uma velocidade máxima de 100 km/h, apesar de estar limitado aos 85 km/h.

As baterias permitem-lhe percorrer cerca de 100 km com uma só carga, que poderá cair para 60/70 km numa condução mais dinâmica. A recarga efetua-se em 3h30m numa vulgar tomada doméstica, através de um cabo situado num compartimento localizado na dianteira do veículo.

A exemplo do que acontece para o Fluence Z.E. e o Kangoo Z.E., o cliente do Twizy terá de recorrer ao aluguer de uma série de serviços associados à bateria. As mensalidades arrancam nos 50 euros euros/mês (com IVA incluído) para 7.500 km/ano num contrato de 36 meses ou mais ou 60 euros/mês para contratos de 12 meses.

No mercado português, o Twizy 45 estará disponível com três níveis de equipamento - Urban, Colour e Technic – e preços entre os 6.990 e 7.790 euros para a versão Twizy 45. A versão Twizy 85 será proposto entre os 7.690 e 8.490 euros. As portas opcionais com abertura em asa de gaivota têm o valor adicional de 590 euros.

Preços:

Twizy 45
Urban – 6.990 euros
Color – 7.290 euros
Technic – 7.790 euros

Twizy 85
Urban – 7.690 euros
Color – 7.990 euros
Technic – 8.490 euros

Aluguer de Bateria (inclui IVA e assistência para todo o tipo de avaria):

36 meses ou mais (7500 km/ano) – 50 euros
36 meses ou mais (10000 km/ano) – 54 euros
36 meses ou mais (12500 km/ano) – 58 euros
36 meses ou mais (15000 km/ano) – 62 euros

24 meses (7500 km/ano) – 55 euros
24 meses (10000 km/ano) – 59 euros
24 meses (12500 km/ano) – 63 euros
24 meses (15000 km/ano) – 67 euros

12 meses (7500 km/ano) – 60 euros
12 meses (10000 km/ano) – 64 euros
12 meses (12500 km/ano) – 68 euros
12 meses (15000 km/ano) – 72 euros

Equipamentos:

Urban

Airbag frontal
4 travões de disco
Coluna de direção com sistema de Segurança
Travão de mão engrenado com o Twizy desligado
2 porta-luvas, 1 dos quais fechado, no painel de bordo
Bagageira fechada atrás do banco traseiro
Tomada de 12V no porta-luvas
Embelezadores de rodas cinzentos
Cabo de carga com 3m à frente
Computador de bordo específico Z.E. (quilometragem parcial/total, autonomia restante, eco-condução)
Manómetro de economia
Avisador sonoro Z.E. voz

Color (Urban +)

Autocolantes coloridos na tampa do porta-luvas e nas portas (vermelho, verde, azul)
Teto colorido (vermelho, verde, azul)
Bancos coloridos (F/T) (vermelho, verde, azul)
Embelezadores de rodas brancos
Tapete

Technic (Urban + Color +)

Jantes em alumínio de 13 polegadas Preto Brilhante
Pintura metalizada
Capa do banco dianteiro em branco
Autocolantes do estilo carbono nas tampas do porta-luvas e portas
Teto estilo carbono

Opções:

Portas com abertura em asa de gaivota: 590 euros
Pintura metalizada (excepto TECHNIC, de série): 250 euros
Pack Pré Equipamento de rádio ( cablagem colunas) + desembaciador de vidro dianteiro (apenas no Twizy 45): 150 euros
Tejadilho transparente (disponível posteriormente)

fonte:http://www.autoportal.iol.pt/

01
Abr12

Primeiros táxis elétricos já circulam em Lisboa

adm

Lisboa é uma das primeiras cidades em todo o mundo a promover a realização de testes de táxis cem por cento elétricos. É ainda uma experiência, mas dois Renault Fluence Z.E. serão utilizados em condições reais de utilização por um período de dois meses.

A iniciativa decorre de um protocolo, oficializado na passada quinta-feira, ente a Câmara Municipal de Lisboa e a Autocoope. Além do factor ambiental, os reduzidos custos de utilização foram decisivos para que a maior cooperativa de táxis de Lisboa decidisse testar, em utilização real, o veículo 100% elétrico da Renault como táxi.

«A aposta no Renault Fluence Z.E., como táxi, pode ajudar a quebrar alguns mitos associados ao veículo elétrico. E, no que diz respeito aos custos de utilização, uma vez que 120 quilómetros efetuados num automóvel elétrico apenas representam um valor na ordem dos 1,5 euros esta é uma solução economicamente interessante”, afirmou José Caro de Sousa, o administrador-delegado da Renault Portugal, durante a assinatura do protocolo.

fonte:http://www.autoportal.iol.pt/n

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D