Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carros Electricos

Tudo sobre carros eléctricos, noticias, novidades, apresentações, artigos técnicos, esquemas técnicos, tecnologia, etc.

Tudo sobre carros eléctricos, noticias, novidades, apresentações, artigos técnicos, esquemas técnicos, tecnologia, etc.

Carros Electricos

14
Dez13

Primeiro táxi elétrico já circula no Porto

adm

Depois de Lisboa, Zurique e Amesterdão, foi agora a vez da cidade invicta adotar o Nissan Leaf na sua frota de táxis. Este é assim o primeiro táxi elétrico a operar no Porto.

O proprietário deste táxi Nissan Leaf é Cândido Pinheiro. Tal como em Lisboa, a entrada em serviço deste táxi de Zero Emissões resulta de um protocolo com a Prio.E, responsável pelo desenvolvimento dos serviços de mobilidade elétrica em Portugal e no estrangeiro.

O primeiro táxi elétrico do Porto foi entregue numa cerimónia nas instalações do concessionário Nissan Caetano Power, com a presença do seu administrador Miguel Pombinho e do diretor comercial Pedro Castro. 

A nível nacional, Cândido Pinheiro é o segundo proprietário de um Táxi Nissan LEAF, tendo o primeiro sido adquirido por um taxista Lisboeta, José Ferreira, em Agosto de 2012 e que afirmou que o balanço não podia ser mais positivo. 

Os custos de utilização são bastante mais reduzidos em relação a um táxi com motor de combustão, não necessita de manutenção programada e permite a gestão da autonomia de acordo com as necessidades reais de um táxi citadino que, numa cidade como Lisboa, faz 80 a 120 quilómetros diários.

O novo Nissan Leaf, produzido na Europa, tem uma autonomia melhorada para os 199km, mais equipamento e estofos e interiores em preto. Está à venda com preços recomendados a partir de 25.200 euros no sistema de aluguer de baterias (79 euros por mês).

fonte:http://www.autoportal.iol.pt/

06
Out13

Salvador Caetano e Siemens apresentam primeiro autocarro de aeroporto totalmente eléctrico

adm
A Salvador Caetano Indústria e a Siemens Portugal apresentam na próxima semana, na Alemanha, o primeiro autocarro totalmente eléctrico desenvolvido para uso exclusivo em aeroportos, resultado de um investimento de um milhão de euros.

Num comunicado conjunto, as empresas adiantam tratar-se de um “conceito totalmente inovador”, resultado da conversão de autocarros de aeroporto COBUS diesel, que haviam sido construídos na CaetanoBus (fábrica do grupo Salvador Caetano sediada em Gaia), em veículos com um sistema de tração 100% eléctrico e com um novo ‘design’”.


Segundo salientam, trata-se de uma “solução inovadora de reciclagem e reutilização de autocarros” que permite “estender o ciclo de vida destas viaturas por mais 10 anos”.


Pela primeira vez em exibição na Inter Airport Europe - considerada a principal feira internacional para o sector de aeroportos e que decorre de terça a sexta-feira em Munique, na Alemanha - o eCobus é o culminar de um projecto de 20 meses que implicou um investimento de um milhão de euros, apoiado em 40% pelo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN).


Equipado com baterias “de última geração” e dotado de um sistema de armazenamento de energia “fiável e seguro”, o eCobus permite, segundos os construtores, “reduzir os custos de manutenção e alcançar as zero emissões directas sem gerar ruído”.


O objectivo é que, “em breve”, as cerca de 3.000 unidades COBUS movidas a diesel que circulam actualmente nos aeroportos de todo o mundo sejam reconvertidas em unidades eléctricas.


Segundo a CaetanoBus (que contribuiu com o seu ‘know-how’ no desenvolvimento e produção dos autocarros COBUS) e a Siemens Portugal (responsável pelas soluções tecnológicas de mobilidade eléctrica do veículo), o eCobus permite reduzir em aproximadamente 75% a factura energética face aos autocarros movidos a diesel ou a gás, diminuindo as emissões de CO2.


Para além dos impactos ambientais associados ao projecto, o facto de alargar o tempo de operação dos COBUS em mais 10 anos “resulta num benefício financeiro para os operadores”, destacam.


Para além da Salvador Caetano e da Siemens, é parceiro tecnológico do projecto o Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial (INEGI), a quem coube o desenvolvimento de um modelo de dimensionamento dinâmico para optimização da conversão de cada modelo de veículo de aeroporto.

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/

10
Set13

Fórmula 1 pode ganhar alternativa com carros elétricos carregados sem fio

adm

A Fórmula 1 deve ganhar em breve uma alternativa com carros elétricos abastecidos por sistemas sem fio e tecnologia de realidade aumentada. A FIA, órgão que controla o automobilismo mundial, pretende lançar o campeonato da chamada Fórmula E no ano que vem.

A organização diz que a intenção do campeonato será garantir o entretenimento do público e também promover a tecnologia dos veículos elétricos.

A categoria já vem realizando testes com seus carros, com o brasileiro Lucas di Grassi como piloto. Outro piloto brasileiro, Gil de Ferran, foi apontado como 'embaixador' da categoria.

Analistas avaliam que a competição poderá ajudar a melhorar a percepção do público em relação aos carros elétricos, mas a tecnologia ainda precisa passar por uma grande evolução para se tornar disseminada.

A própria FIA reconheceu que a mudança não ocorrerá do dia para a noite. "Faremos com que as pessoas fiquem mais propensas a comprar um carro elétrico, mas isso levará tempo - cinco ou dez anos", afirmou à BBC o presidente-executivo da Fórmula E, Alejandro Agag.

A FIA prevê começar a Fórmula E em setembro de 2014, em Londres, com corridas em outras nove cidades, incluindo Pequim e Los Angeles. Dez equipes, cada uma com dois pilotos, competirão entre si em corridas de uma hora.

Agag diz acreditar que as competições poderão ter um apelo para uma audiência mais jovem do que a audiência tipicamente atraída pela Fórmula 1 e que os próprios fãs poderão se tornar proprietários de carros elétricos no futuro.

 

Patrocínio
A FIA anunciou nesta semana um acordo de patrocínio com a fabricante de chips para smartphones Qualcomm, que fornecerá, além de um valor não revelado, a tecnologia de reabastecimento e de realidade aumentada para a nova categoria.

Entre os produtos que a Qualcomm pretende oferecer está uma tecnologia de reabastecimento sem fio, chamada Halo. A tecnologia, desenvolvida pelo laboratório da empresa em Londres, cria um campo eletromagnético usando uma plataforma de cobre enterrada no chão.

Esse campo pode ser captado por uma bobina instalada no veículo, que o converte em eletricidade para carregar uma bateria.

'Carregamento dinâmico'
A equipe britânica de Formula E Drayson Racing Technologies já testou uma versão customizada do Halo como forma de carregar seus veículos quando eles estão parados.

Porém a intenção é usar a tecnologia para recarregar somente o carro de segurança das competições no primeiro ano, para depois estendê-la para os demais carros no segundo ou terceiro ano.

Com o tempo, segundo a Qualcomm, várias plataformas poderiam ser instaladas nos locais de competição para permitir o 'carregamento dinâmico', ou seja, a habilidade de reabastecer os carros em movimento, ajudando-os a completar a corrida no menor tempo possível.

 

A Coreia do Sul já lançou algo semelhante, usando uma tecnologia local semelhante para recarregar ônibus elétricos em determinadas rotas.

Porém esses esquemas são caros, e a FIA reconhece que a competição terá que se mostrar popular para levantar os recursos necessários para pagar pela instalação dos sistemas de recarregamento.

A Qualcomm também pretende ajudar a desenvolver sistemas telemétricos usados nas corridas. "Pressão dos pneus, motores, combustível, fluido de freio, velocidade, torque - todo tipo de coisas pode ser monitorado a cada nanossegundo", explica Anand Chandrasekher, diretor de marketing da empresa.

Segundo ele, as informações também poderão ser vistas pelo público por meio de um software de realidade aumentada, permitindo aos espectadores observar o carro de sua preferência mesmo que edifícios ou objetos obstruam sua visão simplesmente colocando seus smartphones ou tablets para tornar o veículo visível.

 

fonte:http://g1.globo.com/

01
Jun13

Nissan Leaf atinge 10.000 vendas na Europa

adm

Nissan está a comemorar um marco de vendas para o Leaf que acabou de vender 10.000 unidades na Europa. O carro foi para Sylvie Lailler em Mantes-la-Jolie, perto de Paris. A condutora francesa diz que tenciona usar o carro no seu trabalho de visitas a doentes idosos.

"Comprei o carro porque os baixos custos de funcionamento realmente fazem sentido para o meu trabalho. Precisava de um carro familiar adequado e queria um veículo de emissões zero para substituir o meu hatchback a diesel, o Nissan Leaf foi a melhor escolha. A minha família estava relutante em comprar um veículo elétrico, mas depois do test drive o meu marido disse-me que o queria conduzir para o trabalho. Só que eu não lhe vou dar as chaves assim tão facilmente", referiu Lailler.

O Leaf está à venda na Europa desde março de 2011. Desde março a Nissan começou a vender cerca de 1000 Leafs por mês. A chave para o aumento das vendas foi o aumento da infra-estrutura de carros elétricos, incluindo estações de carregamento. A Nissan vai começar a construir os carros na Europa no próximo mês, o que vai reduzir o tempo de espera.

"Atingimos este marco numa altura em que nos preparamos para apresentar os novos Nissan Leaf produzidos na Europa com mais de 100 melhorias para o mercado", referiu Jean-Piere Diemaz, Diretor de Veículos Elétricos da Nissan Europa.

fonte:http://autoviva.sapo.pt/n

17
Abr13

Noruega ultrapassa Portugal e é líder nos carros eléctricos

adm

Após o abrandamento do projecto de mobilidade eléctrica em Portugal, a Noruega passou a ser o país líder neste novo tipo de tecnologia graças a uma política de incentivos.

A Noruega, também conhecida por ser um dos grandes exportadores de petróleo do mundo, lançou um programa de mobilidade com emissões zero em outubro de 2011, tornando-se rapidamente o país com mais carros elétricos per capita do mundo, uma das razões por que a Nissan escolheu a capital Oslo para apresentar a segunda geração do seu carro elétrico, o Leaf.

Em Portugal, o programa Mobi.e, atualmente em revisão, praticamente estagnou após o programa de assistência da 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia, Banco Central Europeu) e, embora toda a rede esteja a funcionar, os planos de desenvolvimento estão agora a ser repensados.

O fim dos incentivos à compra do carro elétrico e os preços praticados pelas marcas para a venda dos veículos, bem como uma crise profunda das vendas de automóveis nos últimos anos não ajudou ao sucesso da mobilidade elétrica em Portugal.

Enquanto isso, na Noruega, o Governo isentou os carros de Imposto Sobre Valor Acrescentado (IVA) e de taxas rodoviárias, sendo que este tipo de veículo não paga portagens nas auto-estradas, túneis e 'ferries' e podem ainda utilizar as faixas 'bus' para se deslocarem.

Além disso, um condutor de um automóvel elétrico beneficia também de estacionamento grátis e os postos de carregamento de eletricidade são, até agora, oferecidos.

Um dos segredos para o sucesso da Noruega para este tipo de carros é também a disseminação de postos de carregamentos rápidos, cerca de 65, em que é possível o automóvel carregar as baterias em 30 minutos. Em Portugal, existem 16 carregamentos rápidos, embora esteja previsto que, até 2014, existam mais cerca de 50.

Graças a esta política, segundo dados da Associação Automóvel da Noruega, os carros elétricos figuram nos primeiros lugares de venda de veículos naquele país.

O Nissan Leaf, o automóvel que iria ser equipado com as baterias que a marca japonesa iria produzir em Aveiro e que cancelou para o Reino Unido, é um dos mais vendidos na Noruega, com cerca de 3.300 carros a circular, sendo que, no ano passado, matriculou 2.298 exemplares.

Este modelo já representa 1,7% da totalidade do mercado da Noruega, um país com cinco milhões de habitantes, e foi em 2012 o segundo automóvel mais vendido em Trondheim, a segunda cidade da Noruega.

Em Portugal, segundo dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), existem cerca de 286 carros elétricos a circularem nas estradas nacionais, em que houve uma queda nas vendas deste tipo de veículos dde 68%, passando dos 203 em 2001 para os 65 carros no ano passado.

A marca mais vendida foi o Smart (19 unidades), logo seguido do Nissan Leaf (15 unidades), Renault Fluence (11 unidades), Mitusbishi i-Miev, Peugeot iOn e Citroen C-Zero.

O Opel Ampera e o seu irmão Chevrolet Volt, que não são considerados em Portugal um carro elétrico, mas sim um híbrido, venderam 12 e 5 carros respetivamente.

 

fonte:http://economico.sapo.pt/n

28
Mar13

Câmara de Lisboa quer ajudar taxistas a trocar carros antigos por elétricos

adm

A câmara de Lisboa quer ajudar os taxistas a trocarem a frota mais antiga por carros elétricos e disponibiliza-se a financiar cada veículo novo, até um máximo de 20, em três mil euros, disse hoje o vereador da Mobilidade.

"A minha proposta, que irei apresentar à CML, considera um apoio de três mil euros por cada táxi antigo que seja substituído por um elétrico, até ao total de 10 veículos para cada uma associação de taxistas: ANTRAL e Federação Portuguesa do Táxi", indicou Fernando Nunes da Silva.

Esta é uma forma de a autarquia promover o uso de carros elétricos entre os taxistas e de reduzir a poluição do ar na cidade.

Na luta contra a poluição, a câmara introduziu as Zonas de Emissão Reduzida (ZER) em Lisboa, que proíbe a circulação a veículos anteriores a 1992 nas áreas delimitadas pela Avenida de Ceuta, Eixo Norte-Sul, avenida das Forças Armadas, Avenida Estados Unidos da América, Baixa e Avenida da Liberdade.

Entretanto, a autarquia alargou a restrição entre a Baixa e a Avenida da Liberdade aos veículos anteriores a 1996.

Durante todo esse processo, que teve início em julho de 2011, os taxistas em Lisboa continuaram a circular em toda a cidade sem restrições por nunca terem conseguido meios para regularizar a sua situação, o que mereceu fortes críticas por parte de Nunes da Silva.

"O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) ainda não homologou as tabelas para a norma euro. E isto há mais de dois anos", frisou o vereador, indicando que 25% do tráfego da Baixa são táxis.

"E mais: o IMT não queria licenciar os carros elétricos para táxi porque não têm pneu sobresselente, mas um sistema que os permite andar 30 quilómetros com um furo. No entanto, licencia carros com mais de 20 anos porque já têm pneu sobresselente", acrescentou.

O vereador criticou também a atuação da Secretaria de Estado dos Transportes, afirmando ser "inadmissível" que tenha por assinar há cerca de um ano uma portaria que impede a importação de carros com mais de 20 anos para servirem de táxi.

"Se o Governo não tomar a sua parte para garantir meios para a fiscalização, importação e rigor nos centros de inspeção, então é muito difícil", disse Nunes da Silva.

Contactado pela Lusa, o presidente da Federação Portuguesa de Táxi, Carlos Ramos, mostrou-se satisfeito com a proposta da câmara, que classificou de "interessante", e disse que está "convencido de que se vai conseguir chegar a bom porto".

Apesar de admitir que dez carros são "uma gota de água", Carlos Ramos frisou que "sempre é uma ajuda".

"Em toda a cidade de Lisboa devem haver uns 700 a 800 carros antigos que é necessário substituir, sendo que cerca de 300 serão da Federação e os restantes da ANTRAL", afirmou.

A Lusa tentou sem sucesso contactar com o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida.

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

24
Jan13

Nissan baixa preço do elétrico Leaf

adm

A Nissan decidiu reforçar os argumentos do seu modelo cem por cento elétrico Leaf com um ajuste importante no preço. A redução atinge os 3.000 euros e surge enquanto parte de um esforço da marca nipónica para tornar o Leaf mais acessível nos três principais mercados do modelo: Japão, Europa e Estados Unidos da América.

Para lá dessa redução no preço de fábrica, os clientes poderão também beneficiar de outras ofertas de financiamento apelativas, em função dos mercados. O novo preço entra em vigor imediatamente, antes da chegada a meio deste ano de uma versão actualizada do Leaf.

Esta redução de preço complementa os incentivos oferecidos pelos governos e autoridades regionais, o que significa que um cliente poderá pagar, por exemplo, 25.990 euros em França ou £23.490 no Reino Unido. Já em Portugal passa a custar 32.990 euros, uma vez que não existem incentivos. 

O Leaf está equipado com um motor elétrico, localizado na dianteira do automóvel, que aciona as rodas da frente. O motor desenvolve 108cv de potência e 280 Nm de binário, suficientes para uma velocidade de ponta superior a 145 km/h, com uma autonomia de 175 km de acordo com os testes no Novo Ciclo de Condução Europeu (NEDC).

Em relação às baterias, o seu recarregamento demora até oito horas quando ligado a uma tomada doméstica convencional, mas o rápido desenvolvimento de uma rede de carregadores rápidos significa que uma bateria com 30 por cento da sua carga pode chegar aos 80 por cento da sua capacidade em aproximadamente 15 minutos... ou em 30 minutos se a bateria estiver totalmente descarregada.

fonte:http://www.autoportal.iol.pt/n

23
Jan13

VW Up elétrico em Frankfurt

adm

 

A Volkswagen prepara-se para apresentar a versão de produção elétrica do seu citadino, que se deverá chamar e-Up, no Salão de Frankfurt, em setembro. Segundo o fabricante, no mercado alemão, onde deverá surgir poucas semanas depois, o pequeno modelo 100% elétrico (na foto na versão concept) custará menos de 25 mil euros (incluindo o preço das baterias). Resta saber o preço para o mercado português.

De acordo com a Motor Nature, depois do «e-Up», modelo munido de baterias de iões de lítio (que deverá ter 82 cv de potência, 210 Nm de binário e 150 km de autonomia), é a vez dos «irmãos» do mesmo segmento, o Skoda Citigo totalmente elétrico, que custará sensivelmente mil euros a menos que o VW. Espera-se ainda um Seat Mii elétrico.

fonte:http://www.autohoje.com/

02
Jan13

Marcas europeias cortam nos elétricos devido ao baixo volume de vendas

adm

Audi e Renault estão a mudar estratégia de veículos elétricos

O mercado de carros elétricos na Europa não está a ser tão positivo quanto as marcas estavam inicialmente à espera. A Renaulte a Audi estão a mudar as suas estratégias de veículos elétricos devido à baixa procura na Europa.

A Renault está desapontada com o valor das pré-encomendas do seu modelo elétrico puro, o Zoe, e estão a tentar encontrar uma estratégia para impulsionar as vendas.

"Precisamos de comunicar a autonomia dos veículos para que as pessoas saibam mais sobre o que eles podem fazer. Acho que as pessoas inventam restrições que os carros não têm", referiu o Diretor de Marketing da Renault, Stephen Norman.

A Renault vai comercializar o Zoe e destacar o seu baixo nível de ruído e a engenharia precisa.

Quanto à Audi, a marca alemã está a cancelar também o lançamento do seu modelo elétrico puro A2 por causa das fracas projeções de vendas devido ao preço elevado do modelo.

O A2 foi programado para ultrapassar os limites dos carros eficientes. O protótipo utilizava uma armação espacial de alumínio com uma bateria de iões de lítio colocada no piso do carro. O modelo utilizava um motor elétrico de 114cv de potência direcionada para as rodas dianteiras com uma autonomia de cerca de 201km. O carregamento das baterias demorava cerca de quatro horas.

O plano original seria de colocar o carro à venda em 2015 e colocá-lo a competir com o BMW i3. A Audi tenciona usar a tecnologia do protótipo em futuros carros.

 

fonte:http://autoviva.sapo.pt/n

21
Dez12

Vendas de elétricos e híbridos totalizam 950 unidades até novembro

adm

As vendas conjuntas de automóveis elétricos e híbridos em Portugal atingiram as 950 unidades até novembro, menos 162 unidades que no período homólogo do ano passado, divulgou a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Os automóveis híbridos representam, este ano, 891 unidades vendidas, com o Peugeot 508 HYbrid 4 a liderar a tabela de vendas com 160 unidades entregues, logo seguido pelo Peugeot 3008 HYbrid 4, com 106 unidades, e pelo Honda Insight, com 90 automóveis vendidos.

Já no segmento dos elétricos, as vendas não ultrapassaram até novembro as 59 unidades. Liderança do Nissan Leaf e smart fortwo ED, com 14 unidades vendidas, seguidos por Renault Fluence ZE (11) e Mitsubishi i-MIEV (9).

fonte:http://www.abola.pt/

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Segue-nos no Facebook

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D